BLOG DO PESCADOR

Conhecendo os tipos de pescas

Publicado em 19/11/2014 às 11h39

Conhecendo os tipos de pesca (Pacific Peca)

A pesca é uma atividade que pode ser bastante relaxante e uma forma calma de passar o seu tempo, sozinho, em família ou com os seus amigos. Além disso, pode também ser uma forma de extravasar o seu espírito competitivo ou até de ganhar dinheiro.

 

Porém, sempre teremos tipos de pesca padrão de onde começamos e vamos melhorando ou adaptando com o passar do tempo.

     ARREMESSO

 

Trata-se de uma das modalidades de pesca esportiva mais técnicas que a cada dia vem ganhando mais adeptos. Para esse tipo de pesca é necessário conhecer o comportamento dos peixes, bem como as características dos locais onde se pretende pescá-los.

A pesca de arremesso pode ser feita com iscas naturais ou artificiais. A isca é movimentada para dar a impressão de um peixe vivo ou qualquer outro tipo de animal, como um sapo ou uma minhoca, ou para tentar imitar um peixe fugindo ou ferido. As iscas artificiais mais utilizadas são os Plugs de meia água, de fundo e de superfície, Jigs, colheres e Spinners.
O arremesso deve ser o mais preciso possível, pois isso fará a diferença no sucesso da pescaria.

     CORRICO

 

Na pesca de corrico, o barco permanece em movimento com o motor ligado. A isca pode ser natural ou artificial. A técnica consiste em arrastar a isca a uma distância entre 20 a 50 metros, com a embarcação em baixa velocidade. Ao ser puxada pelo barco, a isca dá a impressão de estar viva.
São utilizadas varas curtas e bem reforçadas (cerca de 1,8 a 2,5 metros, em média) e as linhas devem acompanhar a ação do equipamento. Nessa modalidade, as carretilhas permitem um melhor desempenho.

     FLY

 

Uma das modalidades mais antigas, deve seu nome (fly em inglês significa mosca) às iscas, que imitam insetos, alimento natural de alguns peixes, como a truta. Essas iscas são confeccionadas artesanalmente com materiais como pêlos, penas, fios de plástico e linhas de costura. 

Hoje em dia não só as espécies que se alimentam de insetos são capturadas. As iscas são produzidas com as mais diversas formas, peixes, crustáceos, rãs, etc., aumentando muito as opções dessa modalidade de pesca, utilizada inclusive para capturar peixes de mar.

O equipamento de fly é inconfundível, compõe-se de uma vara comprida e flexível, uma carretilha que parece uma bobina comum e uma linha grossa e comprido (no máximo com 30 metros). A linha é a responsável pelo arremesso, uma vez que as iscas são leves. O peso da linha é que leva a isca até o ponto desejado. Ela vai sendo solta por meio de golpes da vara no ar, ato que ganhou o apelido de "chicotear". Conhecido como técnica de grande eficiência na pesca de várias espécies de peixes, o fly ainda é pouco difundido.

A pesca com mosca é muito mais que uma modalidade de pesca. É praticamente uma filosofia em que o corpo e a mente devem estar em total sintonia com o meio ambiente.

     PRAIA

 

A modalidade de pesca na praia é também conhecida, principalmente no sul do país, como "pé na areia" é bastante agradável de ser praticada, principalmente no verão, quando com o calor a água torna-se mais quente.

Esta modalidade traz ao pescador agradáveis surpresas quando praticada com material ultra-leve, pois torna qualquer peixe motivo para uma boa briga. Ela pode ser realizada em praias de tombo, fundas desde o início, ou em praias rosas, em que a profundidade aumenta lentamente. Nesse caso os arremessos devem ser longos, tentando visar aos canais, locais mais profundos na arrebentação. 

Nessa modalidade as técnicas e equipamentos, variam de acordo com a experiência de cada pescador, por exemplo, os fios para amarrar iscas, elastricô e o carrinho de praia. Na maioria das vezes é preciso entrar na água nesse estilo de pescaria, até a altura da cintura, ou do peito, usando vara de bambu ou telescópica. 

Praticada em geral com varas compridas, entre 2,50 e 5,00 metros, e linha fina, entre 0,25 à 0,35 mm, para que a isca não seja tão arrastada pelo ação das ondas e atinja uma maior distância. Na linha podemos ter um arranque com linha de, por exemplo, 0,30 ou 0,35 mm, para garantir o lance. Esse arranque deve ter no mínimo 1,50 metro, sendo suficiente para que, preparado para o lance, a linha mais grossa esteja ainda dentro do equipamento. Os anzóis deverão obedecer ao correspondente tamanho do peixe pretendido (veja os tamanhos dos anzóis na seção Apetrechos) e em geral podemos ter três anzóis, com uma distância de 20 a 30 centímetros, presos por um empate na linha mestra. 

     BARRANCO

 

O chumbo, este sim, deve obrigatoriamente ser do formato pirâmide, já que este fixa-se melhor na areia e deve ser colocado no final da linha. 

Quando um peixe grande é fisgado num anzol pequeno, com linha fina, só com habilidade o pescador conseguirá trazer o peixe, será preciso muita calma e paciência. O molinete é o meio mais prático para se fazerem os arremessos com bom aproveitamento. 

Os arremessos se fazem quando as ondas se recolhem, a fim de aproveitar o máximo em distância. Em seguida enrola-se o molinete, até que a linha permaneça esticada, sinal que o chumbo está encostado na areia e os anzóis livres, percebendo com facilidade qualquer movimentos com as iscas. 

Para praias de banho, onde a profundidade vai aumentando gradativamente, a distância do arremesso é tão importante quanto o local atingido pelo lance. Devemos tentar localizar sempre um canal na praia, pois os peixes se concentram neles. Para descobrir a localização de um canal, basta observar a arrebentação, quando aparecer um intervalo, onde as ondas se tornam arredondadas, as marolas, ali existe um canal. Quanto menores as ondas e maior o intervalo entre as ondas da arrebentação, maior e mais profundo será o canal, e será nesse espaço que deverá ser feito o arremesso. Após o arremesso, pode-se colocar a vara no porta-varas, colocado na linha d'água, deixando a fricção do molinete ou carretilha regulada para que com pouca tração da linha, esta ceda, isto evitará que a vara seja arrancada do porta-varas, após a fisgada do peixe. Na maioria das vezes os peixes de praia se fisgam sozinhos, sendo necessária somente uma confirmação. 

Quando um peixe maior for fisgado não podemos ter pressa. Deixe que brigue à vontade e só o tire da água quando perceber que já está completamente entregue. E como é emocionante e esportivo, por exemplo, ver uma pequena betara fazer a fricção cantar, um ruído que aos ouvidos de um pescador é a mais linda das melodias. Procure o peixe começando na chamada "espuminha", bem rente à areia. Vá depois para o primeiro canal e assim sucessivamente, varrendo completamente todas as opções que a praia lhe oferece. 

A outra modalidade, não menos esportiva e interessante, é pescar com vara de mão, que pode ser de bambu ou de fibra, e linha do mesmo tamanho da vara. Neste caso, uma vara de tamanho entre 3 ou 4 metros é o ideal. O melhor equipamento deve ser bastante flexível; a linha poderá ser 0.25 ou 0.30 mm. Neste caso, usa-se apenas um anzol e um chumbo bem leve, de formato oliva e solto na linha.No caso de anzóis muito pequenos, é conveniente usar uma linha elástica do tipo usado para costura, bem fina, e amarrar melhor a isca, já que na espuminha há muito "ladrão de isca". 

Os melhores locais são a beira dos canais, à distância suficiente para que, no volteio da vara, o comprimento da mesma somado ao comprimento da linha possa cair dentro do canal de praia. Dependendo da vontade de cada um, pesca-se no primeiro ou segundo canal. É importante apenas que o pescador fique no banco de areia que separa um canal do outro, já que nesses locais a água é mais rasa e a ação das ondas é menor. Neste tipo de equipamento, a fisgada de um pequeno peixe é também muito emocionante, pois temos a impressão de que é um peixe muito maior do que na verdade se fisgou. Para quem pesca com vara simples, é conveniente ter na cintura um pequeno recipiente para as iscas e um local para acondicionar os peixes, evitando com isso o vai-e-vem de iscar e trazer o peixe para a areia seca. 

A pesca de praia com equipamento super leve é hoje praticada por muitos pescadores, que fazem inclusive campeonatos da modalidade, pois além de ser altamente técnica é muito produtiva e esportiva. As iscas dependem de cada pescador, no entanto, algumas podem ser sugeridas e entre essas estão as seguintes: minhoca de praia, tatuí, sarnambi, corrupto, lulas e mesmo camarão descascado e filezinho de sardinha. 

Para encerrar, convém lembrar que este tipo de pescaria não tem um horário melhor, podendo ser praticado tanto à noite como durante o dia. A única dica, que praticamente é uma regra, é que se esta pesca for praticada no horário da enchente da maré será muito mais produtiva, pois é com a enchente da maré que todos os organismos vivos da praia se movimentam e, convenhamos, os peixes sabem muito bem disso.

     COSTÃO

 

A pesca em costão é uma modalidade executada em zonas rochosas do nosso litoral. O material de pesca deve ser sempre equilibrado para esta atividade e deve sempre estar localizado acima da marca da maior maré, evitando, assim possíveis acidentes. Em relação ao equipamento, o tipo de ambiente será o definido considerando o tipo de arrebentação, fundo, etc. De uma forma geral, deve-se ter uma vara de 2,0 a 3,5 metros de comprimento e molinete ou carretilha de porte médio. É indicado o uso de um arranque de 5,0 metros de comprimento de linha 0,50 mm. O empate deve ser preparado da seguinte maneira: na extremidade do arranque deve-se prender um distorcedor; dele devem partir 2 linhas (uma linha 0,35 mm e comprimento de 60 cm para a chumbada e outra linha de 0,50 mm com 30 cm de comprimento com o anzol. Este empate é importante para garantir a preservação do peixe caso a chumbada agarre nas pedras); o chumbo deve ser de bordas arredondadas pois essa forma dificulta prender nas pedras.

O pescador deve escolher com cuidado seu calçamento porque "um escorregão " pode resultar num acidente de graves conseqüências e até fatal. Outra dica interessante é a utilização de ceva. Geralmente são feitas com elementos do ambiente, como por exemplo os mariscos encontrados na pedra, entretanto, pode-se utilizar pedaços de sardinha, camarão, caranguejos de pedra, etc. A massa de ceva deve ser acondicionada em recipiente que permita a saída dos líquidos da ceva para a água e deve ser posicionada próxima ao local pretendido para a realização da pescaria. O uso de uma linha unindo a ceva ao pescador pode ser útil, permitindo que o pescador execute a liberação de maior quantidade de ceva através de pequenos "puxões" no fio.

As iscas artificiais podem ser colheres, jigs, plugs e as naturais as baratinha do mar, camarão (vivo ou morto), cejo, lula, marisco, mexilhão, pequenos peixes vivos ou mortos, polvo, sarnambí e siris.

     OCEÂNICA

 

Nessa modalidade costumam ser usados barcos com motores potentes, pois nela são enfrentados alguns dos maiores desafios da pesca esportiva, como os peixes de bico.

Esse tipo de pesca é realizada nas águas quentes e transparentes, que sejam ricas em pequenos peixes. Também é de extrema importância a presença de uma pessoa experiente em assuntos de navegação do barco, pois para capturar um bom peixe é necessário um bom trabalho de equipe.

Esse tipo de pescaria se assemelha ao Corrico, ou seja, com o barco em movimento, e os peixes de bico podem ser pescados com iscas artificíais.

     RIOS E LAGOS

Para a realização da pesca nestes ambientes, deve-se utilizar roupas leves de cores claras e camisa de manga comprida, para proteger-se dos mosquitos. Outros equipamentos pessoais fundamentais são: faca, tesoura, alicate, alicate-de-corte, chapéu ou boné e um bom repelente.

Podemos utilizar iscas artificiais como colheres, jigs, plugs, ou naturais como capim, frutos, insetos, massas, milho, minhoca, minhocuçú, pequenos peixes vivos ou mortos, queiro e rãs.

     CANAL

 

O canal de águas calmas também permite boas pescarias. O sistema mais usado é o de bóias luminosas com pernada de cerca de um metro, encastroadores e garatéias. Durante o dia, a maior atração fica por conta dos irriquietos Carapaus. Os peixes Espada, abundantes durante o ano inteiro, embora sejam mais procurados, só são encontrados durante a noite. Robalos e Vermelhos, entre outros, também podem ser fisgados nas bocas dos rios e debaixo dos atracadores. A melhor isca para os Carapaus são pedaços de camarão. Mas não rejeitam as iscas artificiais, como jips, grubs e pequenas lulas de borracha.
Nos piers onde as pescarias ainda são permitidas, podem ser capturados uma grande quantidade de peixes miúdos, mas existe a chance de fisgar um Vermelho ou mesmo um Robalo durante o dia.

     ESPORTIVA

 

A regulamentação da pesca esportiva, criando leis que protejam as espécies, limites para a captura ou até mesmo proibindo toda e qualquer captura de determinada espécie em conjunto com outros procedimentos como a adoção do pesque e solte por um grande numero de pescadores, é fundamental em alguns cursos d'água, uma vez que a pesca é tão popular que muitas vezes a demanda excede a capacidade de produção de um ambiente aquático. Pescar e soltar é uma parte da solução!!! 

Soltando um peixe, o pescador esta dando a chance para que ele seja reciclado e possa ser pescado por outros, e além disso dá a ele a chance de se reproduzir, o que é fundamental para a manutenção da população de peixes do local. Isto resulta também no aumento do tamanho médio dos peixes.

O "Pega e Solta" é uma prática que se torna cada vez mais popular a medida que os pescadores esportivos se conscientizam das reais condições das populações de algumas espécies de peixes esportivos. Praticar o "Pega e Solta", não é simplesmente soltar um peixe após a captura. Existem algumas regras simples que devemos seguir para minimizar a mortalidade dos peixes após a soltura, como por exemplo:

- Usar equipamento apropriado ao porte do peixe, e quando fisgamos um peixe é recomendável trazê-lo o mais breve possível para terra ou barco. Usar equipamento leve, pode tornar a batalha entre o pescador e o peixe mais emocionante, entretanto quanto maior for o tempo de duração desta luta, mais estressado ficará o peixe, e ele poderá morrer ao ser solto devido ao acumulo de ácido láctico liberado na musculatura. 

- Utilização de anzóis e garatéias sem farpas e de preferência confeccionados de materiais não inoxidáveis. O uso de anzóis sem farpa tem se tornado popular entre os pescadores esportivos, uma vez que não há um incremento significativo de ferradas perdidas, antes, pelo contrário, alguns pescadores dizem ter melhorado seus desempenhos uma vez que a farpa nos anzóis pode prejudicar a penetração dos mesmos. A tarefa de remoção dos anzóis fica muito mais fácil e diminui o risco de machucar o peixe durante este ato. 

- Se possível, mantenha o peixe dentro d'água, durante a tarefa de remoção os anzóis. Utilize alicates apropriados para executar tal tarefa. Se o anzol estiver fisgado profundamente o melhor a fazer é cortar a linha. Os ácidos estomacais irão dissolver o anzol em pouco tempo. 

- Manuseie o peixe o mínimo possível, com as mão molhadas e o mais gentilmente possível, isto ajuda a manter o muco de proteção que recobre todo o corpo e que protege o animal contra infecções. Evite tocar nas brânquias pois é uma região vital e extremamente sensível.

- Antes de liberar o peixe, verifique as suas condições e mantenha-o na água durante alguns instantes, para reanimá-lo, forçando a circulação através de seus opérculos até que ele saia nadando por suas forças. 

- Use redes feitas de material macio como algodão ou nylon seda. Puçás feitos de nylon podem remover ou danificar a camada de muco protetora.

     PESQUEIROS

 

Os pesqueiros, indiscutivelmente, tornaram-se uma das melhores opções de lazer para os pescadores, com locais cada vez mais estruturados, áreas de lazer, piscinas, chalés, boa comida, enfim, toda a mordomia e segurança para se desfrutar momentos agradáveis com a família. E já sabemos que em todo território brasileiro possui ótimos pesqueiros.

Neles a variedade e o porte dos peixes, facilmente podem ser encontrados é a poucos quilômetros da capital. O ambiente da maioria dos pesqueiros é muito sadio. A filosofia de curtir a natureza, relaxar e, principalmente, respeitar o meio ambiente facilmente transmitido aos participantes, além de propiciar ótimas oportunidades de se realizar novas amizades. O que devemos entender é que os pesqueiros nada mais são do que a extensão de nossos lares, onde o pescador poderá passar momentos realmente agradáveis, fisgando peixes de ótima qualidade e a poucos quilômetros de seus lares, sendo, atualmente, uma das melhores e mais econômicas opções de lazer para as famílias de pescadores.

Nos pesqueiros podemos utilizar material de ultra-leve a médio, mas a emoção sempre fica para quem opta por equipamentos mais sensíveis. A vara na maioria das vezes tem de 1,20 a 2,50 metros e a linha entre 0,25 a 0,45 mm.

Para a pesca de Carpas, por exemplo, utilizamos uma bóia e um chicote entre 50 a 90 cm com a massa na ponta. A massa deve ser colocada em um chuveirinho adequado, sendo modelada no formato de uma coxinha.

Sempre que for em busca de um peixe em especial em um pesqueiro novo, verifique qual a melhor isca, pois na maioria das vezes, os peixes são alimentados com rações próprias do pesqueiro o que faz com que sua isca se torne menos atraente para eles.

     RODADA

 

Nesse estilo se deixa o barco a deriva, sob a ação da maré, controlando com o motor elétrico o posicionamento do barco que deverá ficar próximo à margem ou em cima de algum poço; e da linha, fazendo com que esta permaneça sempre aprumada, em pé, para se ter a noção exata da distância entre a isca (natural e viva de preferência) e o fundo do canal, que deve ser aproximadamente de 1,0 metro.

As varas de 4,00 à 5,00 metros com ação de 1,50 à 2,00, chumbadas oliva de 20 à 40 gramas em canais raso (até 6,00 metros) e de 50 à 70 gramas em canais profundos, limitadas por girador, e chicote com anzol na ponta.

Categoria: DICAS DE LOCAIS
Compartilhar

6 DICAS PARA SER UM BOM PESCADOR

Publicado em 04/08/2014 às 11h17

     DICA 1: A PRÁTICA

 

Só mesmo a prática leva a perfeição, então o melhor a fazer é mesmo praticar bastante, porém não é só isso, é preciso ficar atento aos erros. 
Sempre que errarmos alguma coisa na pescaria – seja um enrosco, um peixe que escapou, a linha que estourou – ficar atento no que levou a acontecer isso – a linha não resistiu, o arremesso foi mal feito, a fisgada não surtiu efeito – e de imediato procurar a solução, seja perguntando para pescadores mais experientes ou lendo em revistas e jornais especializados, e principalmente não repetir o erro.

 

     DICA 2: A ATENÇÃO

 

Esse fator elimina mais de 50% dos erros cometidos em pescarias. 
Procure sempre verificar se os nós estão firmes, o anzol está bem afiado, a forma de prender a isca está correta, entre outros. 
Observar o comportamento dos peixes, aonde eles devem estar escondidos, quais suas iscas preferidas e seus hábitos principais.
Ficar por dentro do que vem acontecendo nos últimos dias no local em que irá pescar: outras pessoas estão tendo sucesso? a água está escura? que iscas estão usando? enfim, tudo isso devemos saber, caso contrário poderemos estar perdendo tempo naquele local.

 

     DICA 3: A COMUNICAÇÃO

 


A comunicação é um processo normalmente de três vias. 
Ela envolve os parceiros que estão pescando conosco, as pessoas residentes no local (piloteiros, donos de hotéis, pesqueiros, ribeirinhos, etc) e os demais pescadores presentes. 
Agilizar a comunicação significa buscar a informação onde ela estiver disponível e não esperar que venha até nós.
Essa agilidade e qualidade de informação certamente irá nos ajudar a ter sucesso. Não tenha medo de perguntar.

 

     DICA 4: A HORA CERTA E O SILÊNCIO

 


A melhor hora para encontrar as espécies de peixes são no início da manhã e no final da tarde. 
Isso não quer dizer que não se possa pescar em outros horários. 
Já ouvimos muitos pescadores dizendo que fisgaram grandes espécies à noite, de madrugada ou ao meio dia, e realmente isso acontece.
Já outro fator importantíssimo na pesca de algumas espécies como a Tilápia, o Lambari, Pacu, Piau, entre outros, é o silêncio na pescaria.

 

     DICA 5: PAPEL DE CIDADÃO

 


Para finalizar estas pequenas dicas para obter sucesso na pescaria, salientamos a importância de preservar os peixes e o nosso meio-ambiente. 
Todos nós queremos pescar em um local bonito, agradável e com peixes, e também sabemos que só depende de nós. 
Experimente entrar para o time do pesque e solte, ou pelo menos não leve peixe abaixo do tamanho ideal e apenas o que a legislação permite. E nem deixe lixos espalhados no local.
Caso você esteja se dirigindo para "aquela pescaria" em um pesque-pague, pesqueiro, etc., lembre-se de que você tem a obrigação de manter o ambiente da maneira como o encontrou.
Evite jogar papéis, copos, bitucas de cigarro, etc., dentro do lago, aliás em lugar algum. A grande maioria dos pesqueiros possui latões de lixo bem distribuídos ao redor dos lagos e, caso estejam longe do seu "point" de pesca basta levar sempre uma sacolinha de mercado para guardar as indesejáveis sobras, evitando assim, a poluição visual e ambiental.
Lembre-se também de "respeitar" as regras do local evitando arremessos longos e desnecessários para a captura do seu exemplar.
Essa última regra ajuda a manter a amizade e a criar novas, possibilitando assim a ampliação da nossa "rede de amigos". 
Caso mesmo seguindo estas dicas, o pescador não obtenha sucesso, fique tranqüilo, você fez tudo como devia, e lembre-se que a pesca é um esporte, às vezes a gente perde e às vezes a gente ganha.

 

     DICA 6: ANZÓIS SEM FARPA

 


Para quê serve a farpa do anzol? 
A resposta a esta pergunta pode parecer simples: para prender a boca do peixe fisgado, de modo que ele não consiga escapar mesmo que dê muitos saltos e se agite com a intenção de se livrar.
Porém, muitos pescadores esportivos têm respostas diferentes: a farpa do anzol é uma tremenda inutilidade, só machuca o animal e torna mais complicada a devolução do peixe à água, quando se pratica o pesque e solte.
A pesca para se tornar esportiva deve dar ao peixe as chances de brigar com o pescador e depois, se vencido, ser devolvido à água, caso contrário é predatória.
Por isso, pescar sem farpas, pode ser mais difícil, pelo fato do bicho (teoricamente) ter mais chances de fugir, porém é uma briga igual.
Se estiver utilizando garatéias é essencial tirar as farpas e pode ficar tranqüilo que ainda assim o peixe poderá ser capturado.
Quando for pescar em pesque pague e quiser devolver os peixes a água, nem pense em utilizar farpas, pois os proprietários irão ficar malucos, já que os peixes podem morrer em consequência de um ferimento mais grave.
Para retirar as farpas dos anzóis e garatéias utilize alicates de bicos e as amasse ou quebre.
Essa atitude já é muito praticada no Japão e em países mais desenvolvidos, onde a conscientização de que os peixes podem acabar já chegou e vem sendo muito difundida. 
Aqui no Brasil, precisamos passar sempre esta mensagem adiante para os amigos, e tentar ao menos diminuir a matança das espécies e evitar o fim de um esporte tão gostoso que é a pesca esportiva.

 

 

Fontes: Pesca sem fronteiras

Categoria: DICAS DE PESCA
Compartilhar

9 DICAS E SINAIS PARA UMA PESCA DE SUCESSO !

Publicado em 04/08/2014 às 10h13

     DICA 1: AVES AQUÁTICAS

 

É este o melhor sinal de todos, pois as aves se alimentam de pequenos peixes e, conseqüentemente onde se encontra um o outro está ao lado. 

Em um local onde existem diversas aves, com certeza haverá alimentação em abundância de peixinhos.
Como sabemos, peixes predadores se alimentam também desses pequenos peixes. 
Se tiver que escolher um bom local para pescar, dê preferência para onde haja bandos de aves aquáticas juntas.

 

     DICA 2: ILHAS OU PEDRAS

 

Nesses locais, o melhor sinal será procurar as rochas que mais tenham organismos vivos, tais como mariscos, ostras, cracas, etc. 
No caso de uma ilha, tais rochas sempre se encontram do lado de fora, ou seja, onde o mar é aberto. 
Esse sinal também pode ser utilizado nos rios ou baías de litoral. 
Em água doce, as pedras são refúgios de pequenos peixes, e é aqui que o peixe maior lhes dará caça.

 

     DICA 3: TRONCOS OU ÁRVORES SUBMERSAS

 


Outro importante sinal que deve ser observado, tanto em rios do litoral como em rios de água doce ou represas.  Muitas são as espécies de peixes predadores que procuram esses locais para se alimentar, pois em volta de paus e árvores parcial ou totalmente submersas, se avolumam organismos vivos, que são as iscas de peixes maiores, como por exemplo o robalo, o black-bass, os tucunarés, etc.

 

     DICA 4: MARGENS COM CAPIM

 


É um ótimo sinal para represas e rios de água doce, pois será nesses locais que os pequenos peixes se refugiarão para escapar dos ataques dos predadores, além de haver também uma infinidade de outras espécies de peixes que têm no capim sua base de alimentação.  É também o capim o principal responsável pela quantidade de insetos do local, que nele ficam e constituem a alimentação de alevinos e pequenos peixes.

 

     DICA 5: ÁRVORES FRUTÍFERAS

 


Mais um importante sinal da natureza, e estas tanto podem ser selvagens como caseiras.  Várias espécies de peixes se alimentam de frutos. Por exemplo: um pé de goiaba à beira de uma represa.  Se for tempo de goiabas maduras, com certeza as tilápias estarão se alimentando dessa fruta.  Então qual a melhor isca que devemos usar nessa época e nesse local ? A goiaba é apenas um exemplo, pois é enorme a variedade de frutos à beira d'água, assim como o peixe citado é apenas outro exemplo.  Se quisermos, poderemos citar, além da tilápia, peixes como o pacu, a carpa, a piracanjuba, a piaba e etc, pois todos têm o mesmo hábito.

 

     DICA 6: PEQUENOS CURSOS D'ÁGUA

 


Consistem outro importante sinal da natureza que tanto pode ser usado em água doce como no mar.  Aqui o detalhe é que os peixes grandes ficam à espera do alimento que invariavelmente sairá do pequeno curso d'água.  O melhor local para a pesca é na junção das águas.

 

     DICA 7: IDENTIFICAÇÃO DOS CANAIS

 

Com certeza os peixes sempre trafegam pela parte mais profunda, ou seja, os canais.  A identificação desses locais é ampla e diversa.  No mar podemos descobri-los pela formação das ondas.  Em baías e rios de litoral, pela formação das pedras ou terra firme.  Um exemplo que pode ser citado, na entrada de um canal, se tivermos de um lado praia e do outro lado um morro com pedras, com certeza o leito passará perto do morro.  Em rios, será necessário descobrir os remansos, e isso pode ser feito através da observação de plantas aquáticas que ficam na superfície das águas.  Em represas, descreveremos bem a moda "caipira".  Com um bambu ou uma corda com um peso, vá batendo o fundo da represa.  Quando chegar ao canal, a profundidade aumentará repentinamente.

 

     DICA 8: IDENTIFICAÇÃO DOS CANAIS

 

É outro bom sinal da natureza, pois além de fundo, é o local onde o predador dá caça aos outros peixes, que não tem oportunidade de fugir.  Nesse local, prefira pescar sempre observando a categoria do peixe desejado.

 

     DICA 9: CACHOEIRAS OU CORREDEIRAS

 

Quem é que não sabe que nas piracemas, os peixes menores tem que vencer esses obstáculos, rio acima, para a desova?  Pois é, nas corredeiras, os peixes maiores costumam se alimentar, e isso, por si só, já constituiria um excelente local de pesca. Mas não se esqueçam... existe um limite onde pode se pescar, normalmente 200 metros abaixo ou acima desses locais. Não cometa o erro de pescar em local proibido, informe-se bem antes de empreitar uma dessas.

 

Fontes: Pesca sem fronteiras

Categoria: DICAS DE LOCAIS
Compartilhar

bdt b02|left uppercase c10n center fwR show b04s bsd|left uppercase center show fwB c10n tsN||||news login bdt b02|uppercase c15|b01 c05 bsd|news login fwR uppercase b01 bsd|uppercase fsN tsN|bdt b02|content-inner||fwB
SAC (79) 9915-6425